Patrimônio cultural será preservado no município de Paranaguá, onde foram recentemente mapeados novos sambaquis

Os sambaquis foram identificados durante o processo de licenciamento ambiental de empreendimento portuário.

Em 8 anos de pesquisa, a Espaço Arqueologia tem no estado do Paraná, especialmente em seus Planaltos, seu principal território de atuação. Nos últimos meses, no entanto, nossa equipe tem se dedicado a contribuir para a arqueologia do litoral paranaense, mais precisamente para a região da Baía de Paranaguá.

Tais contribuições vem ocorrendo no contexto do Programa de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico executado na área de um empreendimento portuário, que será instalado a oeste da malha urbana do município de Paranaguá.

O arqueólogo coordenador do projeto, Prof. Dr. Valdir Luiz Schwengber relata que é uma grande responsabilidade executar estudos nessa região, pois muitos sítios já foram mapeados e uma vasta bibliografia sobre o período pré-colonial e histórico do litoral paranaense foi produzida, o que revela a importância da região para a arqueologia do Estado.
De acordo com o pesquisador, o projeto de Avaliação foi dividido em duas etapas. A primeira, já executada, referente as pesquisas de campo no ambiente terrestre da área do empreendimento, e a segunda, no meio aquático, onde está prevista a instalação das plataformas e píeres.

Como resultado da pesquisa de campo realizada na etapa inicial, foram mapeados 5 novos sambaquis, além de outros 2 que foram recadastrados. Os sítios são compostos por acúmulos de conchas, ossos e, nesse caso, material cerâmico pré-colonial e histórico, e outras evidências de ocupação do período pós-colonial.

O arqueólogo Lindomar Mafioletti Júnior destaca que na bibliografia estudada havia informações da possível existência de 3 sambaquis nas imediações do empreendimento. Desses, 2 puderam ser encontrados e recadastrados. O pesquisador, integrante da equipe responsável pela prospecção, comenta que é uma área que já foi bastante estudada, e finaliza dizendo que “os resultados obtidos nessa pesquisa demonstram que há muito para ser descoberto em todos os rincões do Brasil e, por isso, é importante que projetos como esse sejam executados”.

Uma vez identificados os sítios, o passo seguinte consiste na execução de um Programa de Gestão do Patrimônio Arqueológico, onde as melhores estratégias serão encontradas para garantir que o patrimônio cultural seja salvaguardado e o empreendimento possa ser implantado, aliando a necessidade de melhoria de infraestrutura portuária no país com a valorização dos bens arqueológicos. O projeto do empreendimento está alinhado e seu layout foi dimensionado para garantir a salvaguarda do patrimônio cultural.

A próxima etapa do projeto de Avaliação de Impacto, que envolve as prospecções em ambiente aquático, está prevista para ocorrer entre o final do mês de agosto e início do mês de setembro de 2019.