Espaço Arqueologia realiza Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico no município de Araucária/PR

Área de implantação de empreendimento imobiliário é objeto de estudos arqueológicos

Assim como os empreendimentos ligados ao setor elétrico e obras de infraestrutura, a implantação dos empreendimentos imobiliários como loteamentos e condomínios residenciais, necessitam passar pela correta execução das etapas de licenciamento ambiental, segundo as normas e procedimentos estabelecidos na legislação brasileira pelos órgãos competentes.

Neste sentido, uma equipe de pesquisadores da Espaço Arqueologia executou em campo a etapa de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico na área de implantação do Condomínio Residencial Gênova, à ser instalado no município de Araucária, Estado do Paraná.

Nesta etapa de pesquisa, o objetivo principal consiste na realização de ações para avaliar a possibilidade de geração de impactos ao patrimônio arqueológico em virtude das obras de instalação do empreendimento. Neste caso, a metodologia prevista no projeto foi aplicada em campo por meio da execução de linhas de caminhamento e escavação de poços-teste para verificação de superfície e subsuperfície, respectivamente.

Como resultado desta pesquisa, nenhum vestígio arqueológico foi identificado nas áreas de influência do empreendimento. Paralelo as atividades de campo, foram realizados no âmbito deste projeto, ações de esclarecimento e divulgação da pesquisa junto aos moradores sediados nas áreas mais próximas ao empreendimento, bem como, junto aos responsáveis pela implantação do Condomínio Residencial Gênova. Nestas atividades foram prestados esclarecimentos sobre a necessidade de realização da pesquisa arqueológica, bem como, foi enfatizado a importância sobre a preservação do patrimônio arqueológico, com apoio dos materiais didático-informativos entregues aos participantes, compostos por folders com conteúdo relativo as etapas da pesquisa arqueológica no âmbito dos processos de licenciamento ambiental e sobre o modo de vida dos principais grupos humanos que habitaram o planalto meridional brasileiro antes do contato com os europeus.

Estas ações objetivaram a socialização dos resultados das pesquisas arqueológicas junto à comunidade, despertando o interesse pelo tema e a necessidade de preservação do patrimônio arqueológico.