Descobertas arqueológicas em Rondônia

Equipe de monitoramento da Espaço Arqueologia identificou dois sítios inéditos

Os grupos que viviam inicialmente na Floresta Amazônica eram caçadores-coletores. Nos milênios mais recentes também haviam vestígios de povos produtores de cerâmica e que cultivavam alimentos. Marcas dos grupos humanos que se destacam são as técnicas utilizadas para fertilização do solo, a partir de material orgânico, gerando o que ficou conhecido Terra Preta de Índio ou Terra Preta Arqueológica. Isso demonstra que os povos indígenas que habitaram e habitam a Floresta Amazônica detêm um extenso conhecimento ancestral sobre o ambiente no qual vivem e as práticas de domínio e gestão desse meio para reprodução do seu modo de vida.

É nesse contexto fértil de registros arqueológicos que a equipe da Espaço Arqueologia realizou uma pesquisa na região do vale do Guaporé, no estado de Rondônia. Durante oito meses, entre dezembro de 2019 e agosto de 2020, uma equipe de arqueólogos atuou no Acompanhamento Arqueológico da implantação de uma linha de distribuição de energia entre a sede do município de Nova Mamoré e o distrito de Nova Dimensão.

As pesquisas arqueológicas realizadas nos últimos anos na região amazônica têm demonstrado que esta porção da América do Sul foi densamente ocupada por diversos povos a pelo menos 15 mil anos A.P. (Antes do Presente). Estes povos desenvolveram uma série de estratégias de ocupação dos distintos ambientes, desde as margens dos rios até áreas de terra firme.

Próximo à desagua do Rio Mamoré no Rio Madeira, a região onde foi instalado o empreendimento já possuía sítios registrados, apresentando a necessidade de acompanhamento das obras para garantir a salvaguarda desses sítios e de outros que poderiam vir à tona.

Confirmando o alto potencial arqueológico, durante o período de acompanhamento foram identificados dois sítios inéditos: um lito-cerâmico com terra preta e outro cerâmico. Para garantir sua salvaguarda, os mesmos foram delimitados e sinalizados, e os postes do entorno foram realocados em uma distância segura da área dos sítios.